quarta-feira, 20 de maio de 2009

Pipocas feitas por telemóveis?!?

video

Como o nosso grupo pôde comprovar, esses vídeos que toda a gente conhece, de transformar milho em pipocas, apenas através das radições emitidas pelos telmóveis quando realizamos uma chamada, não são reais.

Testámos isto com imensos telemóveis, como puderam ver no vídeo, ligando de uns para os outros, em simultâneo. Após vários minutos de espera, nada acontecera. O milho estava intacto.

O que acontece naqueles vídeos que pudemos observar na internet, é que, por baixo da mesa onde a experiência é realizada, é colocada uma placa de microondas. Essa placa é que fará com que seja possível fazer pipocas, e não apenas os telemóveis.

Benefícios e perigos dos computadores


Benefícios e perigos dos cabos e postes de alta tensão


Benefícios e perigos dos microondas


Benefícios e perigos dos telemóveis


Os nossos cartazes informativos




As nossas medições


Estas são algumas das nossas medições, ao nível do campo magnético. Como nos podemos aperceber, os níveis de radiação libertados pela máquina de levar roupa e pelo quadro eléctrico estão acima dos limites de segurança.
Assim,concluímos que são bastantes nocivos.

Limites de Segurança

O que são?

- Valores máximos permissíveis para os níveis de radiação absorvidos pelo corpo humano;

- Valores mínimos a partir dos quais começam a surgir efeitos biológicos adversos à saúde.




segunda-feira, 4 de maio de 2009

Efeitos biológicos da exposição à radiação de radiofrequência

Os efeitos biológicos ocorrem nas mais variadas situações, desencadeando diversos mecanismos de compensação do corpo humano, mas não sendo necessariamente prejudiciais para a saúde. Um efeito biológico é prejudicial à saúde quando causa alguma alteração detectável no bem-estar ou integridade dos indivíduos expostos.Para um tipo de radiação não-ionizante, como é a radiação electromagnética de radiofrequência, os efeitos biológicos conhecidos estão razoavelmente bem quantificados: traduzem-se essencialmente no aquecimento do tecido biológico e são por isso designados como “efeitos térmicos”. Quando o nível de aquecimento dos tecidos biológicos excede a capacidade natural de termo-regulação do organismo humano, podem ocorrer danos nesses mesmos tecidos. No entanto, como é conhecida de forma objectiva a relação entre a quantidade de energia de radiofrequência que é absorvida pelos diversos órgãos do corpo humano e a correspondente elevação de temperatura, foi possível estabelecer por organizações internacionais de saúde os valores limites para exposição segura à radiofrequência.

Radiações ionizantes ou não-ionizantes?


A matéria é formada por átomos, e por combinações de átomos chamadas moléculas. O processo pelo qual um átomo ou uma molécula perde um electrão designa-se por ionização. A ionização não ocorre de uma forma espontânea, isto é, para que ela ocorra é necessária a interacção da molécula ou do átomo com radiação caracterizada por fotões com níveis de energia altos. Os raios X e os raios gama são exemplos de radiação ionizante (capaz de causar ionização). Este tipo de radiação pode produzir alterações moleculares, que por sua vez podem causar danos no tecido biológico, incluindo efeitos a nível genético.
Os fotões associados à radiação de radiofrequência não têm energia suficiente para causar a ionização de átomos ou moléculas, pelo que a radiação de radiofrequência se diz não ionizante, tal como acontece com a luz visível, infravermelhos e outras formas de radiação electromagnética com frequência relativamente baixa. É muito importante não confundir os termos ionizante e não-ionizante, uma vez que os mecanismos de interacção com o corpo humano são bastante diferentes.